Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 O Jornal da Economia do Mar é uma publicação mensal de informação económica, empresarial, financeira, científica, tecnológica e cultural, especializada nos Assuntos do Mar;

O Jornal da Economia do Mar é uma publicação profissional, independente de quaisquer poderes políticos, económicos ou de pressão, regendo-se no exercício da sua actividade pelo rigoroso cumprimento das mais exigentes normas deontológicas do jornalismo;

O Jornal da Economia do Mar determina as suas prioridades informativas exclusivamente de acordo com critérios de interesse e relevância jornalística, tendo em particular atenção o mercado ao qual primordialmente se dirige, ou seja, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa;

O Jornal da Economia do Mar arroga-se o direito de expressar opinião, assumir posição e suscitar e promover o debate no âmbito da sua actividade, não deixando, porém, de vincar sempre, de modo perfeitamente claro, a distinção entre quanto é do domínio da pura informação e da mais nobre e pura especulação, também referido, por vezes, como simples opinião;

O Jornal da Economia do Mar observa e cumpre estritamente quanto respeita à Lei de Imprensa, às orientações definidas no presente Estatuto Editorial e determinadas pela sua Direcção;

O Jornal da Economia do Mar não adopta o novo acordo ortográfico por entender o mesmo conduzir, subtil mas inexoravelmente, pela corrupção da grafia da palavra, «ser espiritual», como referia Teixeira de Pascoaes, à degradação do próprio pensamento;

O Jornal da Economia do Mar não se vincula senão a quanto entenda ser, a cada momento, os superiores interesses de Portugal e dos princípios que o formam e lhe permitem afirmar-se como nação independente, autónoma, livre e soberana.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill