Na cerimónia solene, o Presidente da República conferiu à Esquadrilha o grau de Membro Honorário da Ordem Infante D. Henrique, homenageou Cavaco Silva e elogiou as Forças Armadas
Esquadrilha de Helicópteros da Marinha
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Presidente da República celebrou esta semana os 25 anos de existência da Esquadrilha de Helicópteros da Marinha, conferindo-lhe o grau de Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique, que distingue a prestação de serviços relevantes a Portugal, no país ou no estrangeiro, ou a expansão da cultura, história e valores portugueses.

No discurso solene, durante o qual aludiu à origem da aeronáutica naval e elencou o papel da Esquadrilha de Helicópteros da Marinha ao longo de 25 anos em operações domésticas e missões internacionais, Marcelo Rebelo de Sousa homenageou Cavaco Silva, presente na cerimónia, na qualidade de Primeiro-Ministro em exercício quando nasceu a esquadrilha, em Setembro de 1993.

Na sua intervenção, o Presidente da República aproveitou para juntar à homenagem aos membros da Esquadrilha de Helicópteros da Marinha um elogio às Forças Armadas, quatro dias depois de ter apelado ao reconhecimento que lhes considera devido, durante o discurso de celebração da instauração da República, e num momento em que a instituição militar vê o seu prestígio afectado por ocorrências pouco claras relacionadas com um desaparecimento de armas de um paiol do Exército.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill