Por alegada pesca ilegal, uma embarcação chinesa foi avisada e perseguida pela Marinha argentina antes de escapar para águas internacionais
Cruise Baltic
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No último Domingo, o navio militar argentino Mantilla disparou tiros de aviso contra a embarcação de pesca chinesa Hua Xiang 801 por alegada prática de pesca ilegal na Zona Económica Argentina (ZEE), refere o Maritime Executive. A publicação refere ainda que depois de detectada, a embarcação chinesa foi perseguida e tentou abalroar o navio argentino.

Segundo a Maritime Executive, a embarcação chinesa estaria com as artes de pesca instaladas quando foi detectada e terá rejeitado as ordens em inglês e espanhol para parar e aceitar a abordagem pelos militares argentinos. O Hua Xiang 801 colocou-se em fuga, tentando colidir com o Mantilla, e depois escapou para águas internacionais. As autoridades argentinas terão solicitado apoio de outros Estados para capturar a embarcação e emitido mesmo um mandado internacional para a sua apreensão.

Esta não é a primeira vez que sucede um fenómeno semelhante com embarcações chinesas na Argentina. Segundo a mesma publicação, em Fevereiro outro navio de pesca chinês foi alvo de aviso por parte da Marinha argentina, originando um incidente diplomático, e em 2016 outra embarcação chinesa detectada em pesca ilegal foi afundada depois de avisos da Marinha argentina.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill