Segundo os cientistas, esta bactéria desempenha um papel importante em desastres naturais que envolvam derrames de petróleo nos mares
National Oceanography Centre
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Uma equipa internacional de cientistas descobriu um novo grupo de bactérias que comem petróleo. Este grupo de bactérias foi descoberto na fossa das Marianas, no Pacífico, o lugar mais profundo do mundo, sendo que a maior concentração de plâncton microbiano está mesmo no fundo da fossa, segundo noticiado pelo Safety4Sea.

“Sabemos mais sobre Marte do que sobre a parte mais profunda do mundo”, refere o cientista Xiao-Hua Zhang, da Ocean University da China, explicando que estas bactérias são degradadoras de hidrocarbonetos (compostos orgânicos feitos apenas de átomos de hidrogénio e carbono). O que explica o facto deste tipo de microrganismos consumir “compostos semelhantes aos do petróleo, utilizando-os em seguida como combustível”, esclarece o cientista da Faculdade de Ciências Biológicas da UEA, Jonathan Todd.

Conclui-se, portanto, que estes seres, que se encontram em maior proporção nas profundezas do mar do que em terra, desempenham um papel importante em desastres naturais que envolvam derrames de petróleo nos mares, tal como aconteceu no Golfo do México em 2010.

“Para nossa surpresa, também identificámos hidrocarbonetos produzidos biologicamente em sedimentos oceânicos no fundo do mar, o que sugere que uma população microbiana única está a produzir hidrocarbonetos neste ambiente”, sublinhou Nikolai Pedentchouk, da Escola de Ciências Ambientais da UEA. “Estes hidrocarbonetos, semelhantes aos compostos que compõem o diesel, foram encontrados em algas na superfície do oceano, mas nunca em micróbios nestas profundidades”, conclui o cientista.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill