Turistas, principalmente da Índia e da China, fazem questão de visitar o Alasca em pleno degelo.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Desde a década de 1990 que os glaciares no Alasca recuam, contribuindo para a subida do nível médio das águas do mar. Há estudos que revelam que 75 mil milhões de toneladas de gelo derretem todos os anos. Na sequência destes acontecimentos crescem agora potenciais turistas, ávidos para ver as alterações climáticas a “tomar conta” do Alasca. 

Apesar de já existirem locais praticamente inacessíveis (sendo apenas possível fazê-lo de helicóptero, como o Glaciar Spencer) as “pessoas querem mesmo vê-los, antes que o acesso seja totalmente interdito”, refere Paul Roderick, Diretor de Operações da Talkeetna Air Taxi, ao Daily News, referindo-se sobretudo a turistas oriundos da Índia e da China.

Neste momento, o único estado Árctico dos Estados Unidos tem cerca de 25 mil glaciares e, até ao final do século XXI, segundo o Jornal da Glaciologia, podem perder entre 30% a 50% de massa, sendo que há glaciares que retrocederam já mais de meio quilómetro, encontrando-se a parte inferior dos famosos glaciares de Denali – Ruth, Tokositna, Kahiltna, também já a desmoronar-se.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill