Uma agência marítima holandesa vem agora referir que os contentores perdidos serão, pelo menos, 345, e não os 270 estimados anteriormente
DGRM
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Afinal, os contentores perdidos pelo navio MSC Zoe no início do ano, e a que fizemos referência neste jornal podem ser mais do que se pensou. Depois de uma perspectiva de 30, que se revelou errada e passou para uma estimativa mais realista de 270, vem agora o Maritime Executive referir, com base em informações da agência marítima holandesa Rijkswaterstaat, que serão pelo menos 345.

Recorde-se que o navio perdeu contentores a norte de norte de Borkum, na Alemanha, entre 1 e 2 de Janeiro, durante um trajecto entre o porto de Sines e o de Bremerhaven, na Alemanha. No dia 16 de Janeiro partiu da Alemanha para o porto de Gdansk, na Polónia, onde se verificou que a perda seria maior do que inicialmente estimada. Mas a agência ainda aguarda resultados finais, referia ontem a mesma publicação.

Segundo o Maritime Executive, peritos em salvados sugeriram que o acidente possa ter resultado de condições meteorológicas adversas, mas tal não mereceu comentário da MSC, que argumentou com o facto de estarem investigações em curso sobre a matéria. As autoridades holandesas promoveram um inquérito criminal ao acidente por eventual violação das leis anti-poluição, dado que vários contentores deram à costa nas ilhas de Terschelling e Vlieland.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill