Um ano depois dos acidentes com navios militares estacionados no Japão, o Congresso dos Estados Unidos identificou falhas no recrutamento e na manutenção, que poderão demorar anos até serem revertidas
Expedição Five Deeps
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Um relatório do Government Accountability Office (GOA), a entidade responsável pela Auditoria, Avaliações e Investigações do Congresso dos Estados Unidos, sobre os esforços da Marinha norte-americana para melhorar a sua prontidão concluiu que as correcções demorarão anos a implementar, refere o Maritime Executive.

Embora a Marinha dos Estados Unidos tenha começado a rever a sua política de recrutamento e os seus programas de formação na sequência dos dois acidentes ocorridos em 2017 com os navios USS John S. McCain e USS Fitzgerald, agregados à 7ª Frota, no Japão, o GOA considera que permanecem carências de recursos humanos e falta de experiência, que deverão continuar, pelo menos, até 2021.

Segundo a publicação, desde que os acidentes ocorreram, a Marinha dos Estados Unidos promoveu duas inspecções internas e identificou a necessidade de mais de 100 acções para melhorar a prontidão da frota de superfície, das quais foram executadas 70%. Apesar disso, o GAO entende que as falhas continuam e poderão afectar o objectivo da Marinha ampliar a sua frota em 25%.

Além disso, o GAO terá descoberto falhas graves na certificação operacional nos comandos além-mar. E verificado que foram atribuídas certificações prescritas a navios estacionados no Japão.

No relatório agora divulgado, o GAO considerou que os padrões e níveis de recrutamento estão desactualizados, gerando sub-dimensionamento das tripulações, excesso de trabalho aos marinheiros e, consequentemente, agravamento dos riscos de prontidão e segurança militar.

Foram igualmente identificadas falhas de manutenção dos navios. Entre 2011 e 2014, por exemplo, apenas um quarto das manutenções agendadas para os navios de guerra foram concluídas dentro do calendário. O atraso nas manutenções, segundo o GAO, deve-se a equipamento insuficiente e desactualizado. E mesmo que o Congresso garanta os 21 mil milhões de dólares de um programa a 20 anos para corrigir as deficiências, os efeitos dessa recuperação só se sentirão a longo prazo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill