Primeiros navios devem entrar ao serviço em 2019, no âmbito de um processo estimado em mil milhões de euros
CMA CGM
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A CMA CGM anunciou a intenção de equipar os motores de nove dos seus futuros navios de 22 mil TEU com sistema de gás natural liquefeito (GNL), segundo o The Maritime Executive.

“Tomámos a decisão ousada de equipar os nossos futuros navios de 22 mil TEU com uma tecnologia firmemente focada na protecção do meio ambiente. Ao escolher o GNL, a CMA CGM confirma sua ambição de ser uma forte líder no sector em protecção ambiental, sendo pioneira em tecnologias inovadoras e eco-responsáveis”, disse Rodolphe Saadé, Consultor Executivo do Grupo CMA CGM.

Os primeiros navios estão programados para entrar ao serviço no final de 2019 e estima-se que este seja um processo com um custo de aproximadamente mil milhões de euros. Estes porta-contentores serão alimentados a GNL e a percentagem de gasóleo a utilizar servirá apenas para a ignição na câmara de combustão. Deste modo, esperam-se benefícios: até 25% menos emissões de CO2, 99% menos emissões de enxofre, 99% menos partículas finas e 85% menos emissões de óxidos de nitrogênio, informou a CMA CGM.

Entre 2005 e 2015, o grupo reduziu as suas emissões de CO2 por contentor transportado ao quilómetro em 50%, e estabeleceu um plano ambicioso para reduzir ainda mais as suas emissões de CO2 – 30% entre 2015 e 2025.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill