Exemplo desta situação são os cavalos-marinhos da Ria Formosa, que abundavam há 15 anos, e agora são escassos.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Cientistas entrevistados pela SIC reivindicam atenção dos líderes para as questões de investigação, principalmente ligadas ao estado do meio ambiente. A Ria Formosa é espelho desta situação. Os cavalos-marinhos da Ria Formosa, que abundavam há 15 anos, são cada vez mais escassos.  

Perante os grandes sinais de impacto humano na vida marinha, Fabien-Yves Cousteau, um dos cientistas que “vê para além da superfície”, alerta que desde plásticos, lixo, à escassez de vida marinha, devido à pesca excessiva, os oceanos estão cada vez mais “pobres”. 

Os efeitos, bastante concretos, testemunhados por vários mergulhadores em todo o mundo, fazem da situação “negra”. Na visão dos cientistas a população julga que as “coisas estão melhor do que facto estão na prática”. Pelo que, segundo os mesmos, este acontecimento requer mais atenção de todos e do poder político, em particular. Nomeadamente através da criação de áreas marinhas protegidas, sugerem.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill