: Depois de ter recuperado a liderança na construção de navios em 2018, após sete anos na esteira da China, a Coreia do Sul regressou à segunda posição no primeiro trimestre deste ano
George Youroukos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No primeiro trimestre deste ano, a China obteve o maior número de encomendas de novos navios em todo o mundo, registando pedidos para 35 navios, equivalentes a 2.58 milhões de toneladas brutas compensadas (CGT, ou compensated gross tonnage, um indicador que traduz o volume de trabalho necessário para construir um navio e que se obtém multiplicando a tonelagem de um navio por um coeficiente variável em função do seu tipo e dimensão), segundo dados do Clarkson Research Institute revelados pela agência noticiosa sul-coreana Yonhap.

Este registo contraria a tendência verificada em 2018 quando, pela primeira vez em sete anos, a Coreia do Sul ultrapassou a China em encomendas anuais de navios. No primeiro trimestre de 2019, a Coreia do Sul regressou ao segundo lugar, com pedidos para igual número de navios (35), mas equivalentes a 1.62 milhões de CGT. Em terceiro lugar ficou a Itália, com pedidos para 10 navios, equivalentes a 780 mil CGT. No final do trimestre, em termos de volume de encomendas totais em carteira, a China estava também em primeiro lugar, com pedidos para 29.92 milhões de CGT, seguida pela Coreia do Sul, com pedidos para 21.33 milhões de CGT, e do Japão, com pedidos para 14.18 milhões de CGT.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill