Enquanto que a Royal Dutch Shell está empenhada em explorar o Artico para obtenção de fontes de energia, a sua grande rival BP foca-se no lado oposto do globo, com um plano que tem um custo estimado de mais de 1 bilião de Euros.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Devido ao constante preço baixo do petróleo nos últimos meses a BP reduziu as explorações em diversas áreas, mas tal como argumentou no passado dia 18 de Maio em Melbourne Bryan Ritchie, Director de exploração da Asia-Pacifico, a petrolífera decidiu seguir em frente com este projecto já que esta área apresenta grande potencial, apesar dos anteriores na região terem falhado. A BP atribui os passados fracassos ao facto de não se ter perfurado tão profundamente quanto deveriam e portanto agora uma empresa Sul Coreana está encarregue de construir uma plataforma de exploração especialmente para este projecto, chamada ‘Great White’.

Para manter os custos de exploração sob controlo a BP procura um parceiro e está disposta a abdicar de uma percentagem da qual é detentora de 70% do sitio de exploração que se encontra a cerca de 200Km da costa sul do estado da Austrália do Sul, pertencendo os restantes 30% à norueguesa Statoil.

Os grupos ambientalistas preocupados sobretudo pela possível ocorrência de um desastre ambiental semelhante ao que ocorreu no Golfo do Mexico em 2010 com a Deepwater Horizon a cargo desta mesma empresa têm oferecido grande resistencia ao avanço deste projecto.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill