A empresa holandesa de reboques portuários esta avaliada em 300 milhões de euros e poderá passar em breve para as mãos da Boluda
Haifa Port Company
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

As empresas holandesas Royal Boskalis Westminster e Kotug International assinaram uma carta de intenções para venda da sua participada (50% cada uma) Kotug Smit Towage ao espanhol Boluda Group, refere o World Maritime News. O jornal acrescenta que no âmbito desse documento é atribuído à Kotug Smit Towage um valor de 300 milhões de euros.

O acordo estará dependente, entre outros requisitos, da sua aprovação pelas entidades reguladoras competentes, e deverá estar concluído no segundo semestre deste ano, refere o mesmo jornal. De acordo com a Kotug Smit Towage, citado pelo jornal, o Boluda Group está melhor posicionado para acrescentar valor ao negócio de reboques, que também está sujeito aos efeitos da consolidação na indústria marítima internacional, como o demonstram as alianças que se têm formado nos últimos anos.

Recorde-se que a Kotug Smit Towage é uma empresa de reboque portuário criada em 2016, quando mantinha actividade em 11 portos na Holanda, Bélgica, Alemanha e Reino Unido, entretanto ampliada a outros portos. A Boluda, com uma frota superior a 230 embarcações, foi fundada em 1920 e está presente nos principais portos da Europa, África, América Latina e países do Índico.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill