O Porto continua a optimizar as suas infra-estruturas para acolher mais navios e melhorar a questão da sustentabilidade.
Barcelona
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Barcelona espera 380 milhões de passageiros de cruzeiros e 830 chamadas de cruzeiros num 2019 que se promete continuar vigoroso, segundo Mar Perez, Cruise Manager do Porto de Barcelona. 

Os números, que subiram em 2018, têm ido ao encontro da estratégia que Mar Perez tem levado a cabo para aumentar o fluxo de cruzeiros nos portos de Espanha, nomeadamente cruzeiros sustentáveis. Este ano o AIDAnova, num grande passo que se tornou um marco na questão da sustentabilidade, abasteceu inclusivamente com Gás Natural Liquefeito (GNL).

“Estamos a trabalhar na construção de dois novos terminais de cruzeiro no Adossat Quay com instalações mais modernas para operar os navios de cruzeiro do sector”, explicou Mare Perez.

“Os nossos principais desafios são basicamente trabalhar para minimizar o impacto ambiental que os cruzeiros têm no nosso porto e áreas adjacentes”. “Estamos a estudar acções para reduzir a poluição do ar e da água, optimizar a gestão de resíduos e também trabalhar em conjunto com a cidade para evitar o congestionamento nas principais áreas turísticas” referiu. Os planos incluem não só levar mais e maiores navios, mas simplificar e agilizar o fluxo de passageiros e veículos na área portuária em dias atarefados, conclui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill