Os Bancos alemães expostos ao financiamento de navios estão a adoptar uma atitude mais prudente na concessão de crédito aos armadores, apesar de alguns segmentos terem registado uma evolução positiva
Standard on Software Maintenance of Shipboard Equipment
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Banco alemão NORD/LB Norddeutsche Landesbank, que fornece crédito para financiamento de navios de mercadoria, quer reduzir a sua exposição ao sector para 10 biliões de euros até ao final do ano, refere o World Maritime News. Neste momento, segundo o jornal, o Banco mantém uma exposição de 13,3 biliões de euros.

O jornal refere igualmente que o Banco tem uma exposição de 9,1 biliões de euros a créditos de resolução problemática, que tenderão a ser reduzidos nesse processo, e que não deverão ultrapassar os 5 biliões de euros no final de 2019.

Este é apenas um dos exemplos de uma tendência corrente entre os Bancos alemães rumo à redução da exposição a negócios de alto risco em financiamento de navios, apesar da recuperação no mercado dos porta-contentores e dos graneleiros de sólidos.

O HSH Nordbank, que se prepara para a privatização, a concluir em Fevereiro de 2018, também revelou que os seus novos acordos em negócios relativos a navios já são feitos numa base mais prudente. O que significa que o Banco só concederá créditos a empresas internacionais nesta área desde que tenham um bom rating de crédito.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill