A baleia que tinha 16 sacas de arroz e 4 sacos grandes morreu com um choque gástrico, segundo biólogos do museu que a autopsiou
Plásticos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

“Esta baleia tinha a maior quantidade de plástico que alguma vez tínhamos visto numa baleia. É nojento”, lê-se na publicação das redes sociais a propósito da baleia que foi encontrada morta nas Filipinas devido a um choque gástrico, com 40 quilos de plástico no estômago, segundo vários meios de comunicação.

A autópsia, realizada pelo  D’Bone Colector Museum, um pequeno museu das Filipinas, revela que 40 quilos de plástico incluem mais do que os simples sacos de plástico que se usam nos supermercados: “Há 16 sacas de arroz e 4 sacos grandes, idênticos aos que se usam nas plantações de bananas”.

“Apesar de não termos conseguido determinar a causa da morte, os factos que conhecemos já são horríveis o suficiente”, afirmou então Dwi Suprapti, bióloga marinha do World Wildlife Fund (WWF), à CNN.

Nos últimos 40 anos, a quantidade de plásticos nos oceanos aumentou 100 vezes, segundo um alerta da associação espanhola Ambiente Europeu. Já um estudo australiano concluiu que em 2050, 99% das aves marinhas vão ter resíduos de plástico no aparelho digestivo. Sendo que também nos seres humanos já se começam a notar vestígios de microplásticos.

É crucial que esta poluição pare. Este mês, a IV Assembleia da ONU para o Ambiente chegou a um acordo geral, que ainda terá de ser ratificado, para acabar com a contaminação dos mares com plásticos e microplásticos, que deverá entrar em vigor em 2030.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill