Num aviso público, a sociedade convidou os interessados a participarem na sessão e anunciou para este semestre o concurso para venda dos terrenos da antiga Margueira e a concessão de áreas para uma marina de recreio e um terminal de passageiros
Baía do Tejo
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Baía do Tejo, detida pela Parpública, em aviso divulgado publicamente, convidou na última semana que no dia 14 de Maio “todos os operadores económicos” a assistirem à apresentação do projecto de dinamização dos antigos terrenos da Lisnave, numa sessão que pode incluir encontros individuais com potenciais interessados no projecto.

O anúncio, citado em vários meios de imprensa, refere que a Baía do Tejo “tem intenção de proceder, durante o primeiro semestre de 2019, ao lançamento do concurso para alienação de terrenos situados na antiga área industrial da Margueira, na margem sul do rio Tejo, e à entrega para exploração em regime de concessão, de duas áreas de domínio público hídrico, no mesmo território, destinadas à implantação de uma Marina de Recreio e de um Terminal de Passageiros”.

Em causa estão terrenos com uma área de 630 mil metros quadrados, sujeitos a uma alienação a fazer “num único lote”, refere o Expresso, acrescentando que “os estudos de avaliação do activo estão já feitos, mas não são públicos” e que a “operação de venda, agora prometida para Maio, esteve prevista para o primeiro trimestre, como a Parpública assumia no primeiro trimestre do ano passado, mas o prazo não se concretizou”.



Um comentário em “Baía do Tejo promove sessão sobre antigos terrenos da Lisnave”

  1. Helder Costa Almeida diz:

    Mais uma marina? que tipo de terminal de passageiros? porque não um terminal multiusos (contentores, graneis sólidos, carga geral, etc) que não teria os constrangimentos do já famoso futuro(?) terminal do Barreiro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill