Um dos fungicidas agrícolas mais utilizados no mundo pode afectar os ecossistemas aquáticos, segundo revela um estudo coordenado por Elsa Teresa Rodrigues, investigadora da Universidade de Coimbra
Azoxistrobina
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A aplicação de azoxistrobina, um fungicida agrícola muito utilizado em todo o mundo, comporta risco para os organismos aquáticos, revela uma investigação coordenada por Elsa Teresa Rodrigues, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

A investigação foi realizada entre 2011 e 2016 no âmbito da tese de doutoramento da sua coordenadora e contou com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), que financiou a bolsa de doutoramento da investigadora. Contou ainda com a colaboração do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra, das Universidades de Aveiro e do Algarve e do Instituto da Água da Região do Norte (IAREN).

Ao desenvolver esta investigação, Elsa Teresa Rodrigues respondeu a uma lacuna identificada pela Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (European Food Safety Authority, ou EFSA), que alertou a comunidade científica para a carência de dados sobre o impacto da azoxistrobina nos ecossistemas aquáticos.

De acordo com a coordenadora da investigação, “o conhecimento agora obtido é um contributo importante para a próxima revisão da EFSA, que acontecerá em 2021, auxiliando a decidir se este fungicida deve ou não continuar a ser comercializado”. A revisão a que se refere a investigadora é a revisão do risco ambiental deste fungicida.

Segundo a Universidade de Coimbra, “este projecto deu ainda um importante contributo para o desenvolvimento de ensaios ecotoxicológicos alternativos ao uso de peixes (organismos vertebrados) em laboratório”, na medida em que “desenvolveu um trabalho de revisão sobre a utilização do invertebrado Carcinus maenas como modelo experimental credível e identificou a linha celular e o ensaio laboratorial mais adequados para substituir os tradicionais ensaios letais com peixes, para o fungicida estudado”.

Entretanto, o estudo “foi recentemente distinguido com uma menção honrosa na primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia – Fundação Amadeu Dias, promovido pela SPECO – Sociedade Portuguesa de Ecologia”, informou a Universidade de Coimbra.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill