Vários armadores criticam regulamentação por falta de pragmatismo e rejeitam responsabilidades no fabrico de motores ou produção de combustível alternativo
VLCC
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

John Platsidakis, Chairman da Intercargo (International Association of Dry Cargo Shipowners) e Director da empresa Anangel Maritime Services, armadora de navios de comércio, criticou recentemente a futura legislação ambiental a aplicar ao transporte marítimo por carecer de pragmatismo. Este responsável fez a critica durante o 6ªDia do Analista e do Investidor do Capital Link’s Shipping Forum, que decorreu no âmbito da feira comercial Posidonia 2018, realizada em Atenas entre 4 e 8 de Junho.

Embora seja favorável ao objectivo global da descarbonização, Platsidakis entende que “o tsunami de regulamentação” que se aproxima não é bem-vindo pela indústria do transporte marítimo por pecar de falta de pragmatismo na sua aplicação e colocar questões de viabilidade que não estão totalmente resolvidas, como a disponibilidade dos combustíveis de baixo teor de enxofre ou a existência de infra-estruturas portuárias à escala global aptas a integrar uma rede de abastecimento de novos combustíveis.

Na ocasião, este responsável apelou aos “fornecedores de activos”, ou seja, os estaleiros e os fabricantes de motores, para fornecerem equipamentos aos armadores. E considerou que o simples facto de as refinarias não se terem comprometido a ter um combustível alternativo disponível em quantidade suficiente em 2020, quando entram em vigor novas regras sobre combustível marítimo, e assim criarem mais um factor de incerteza para os armadores. Referiu ainda que seria “injusto e altamente lamentável” que no final fossem os consumidores a pagar o preço das novas regras.

George Prokopiu, Chairman da Dynagas LNG Partners, manifestou uma posição semelhante, ao afirmar que o novo quadro regulatório a aplicar ao sector deveria incidir sobre fabricantes e estaleiros, não sobre armadores. E insistiu que as companhias de navegação têm pouca influência no processo legislativo das novas regras, tendo estado isoladas durante o processo de implementação.

No mesmo sentido interveio Theodore Veniamis, presidente da União dos Armadores Gregos, ao afirmar que “o transporte marítimo é frequentemente tido como desproporcionalmente responsável por cumprir os padrões ambientais quando comparado com outras indústrias”. “Enquanto armadores, nada temos a dizer sobre o fabrico dos motores dos navios nem somos responsáveis pelos combustíveis que devemos usar”, referiu.

O mesmo responsável argumentou também que “é óbvio que, dado que os elos da cadeia de responsabilidade são muitos, tem provado ser mais conveniente a nível político incidir apenas sobre os armadores, o que acaba por ser equívoco e ineficaz”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário: Exploração de Hidrocarbonetos na Era da Transição Energética

    Junho 27 @ 14:30 - 18:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill