Segundo noticiavam ontem vários meios de imprensa, a empresa de trabalho portuário do porto de Lisboa está a sentir os efeitos da greve dos estivadores ao trabalho extraordinário e admite dificuldades financeiras. Em Setúbal, os estivadores efectivos assumem greve por tempo indeterminado ao trabalho extraordinário. E na Alemanha, a Volkswagen ameaça desviar os motores destinados à Autoeuropa para a fábrica espanhola de Navarra
Administração do Porto de Lisboa
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Associação – Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa (AETPL) está em vias de ficar sem dinheiro para pagar salários, referia ontem o Jornal de Negócios. Segundo referido em vários meios de comunicação social, a greve dos estivadores ao trabalho extraordinário terá provocado uma diminuição da facturação em 30% desde Agosto, tornando financeiramente difícil a situação da empresa.

De acordo com informação da SIC, a empresa tem 150 trabalhadores efectivos e 50 temporários e dentro de um mês e meio não haverá dinheiro para salários se a paralisação continuar.

Entretanto, a SIC noticiou também que a greve ao trabalho extraordinário dos estivadores com vínculo de trabalho efectivo no porto de Setúbal vai manter-se por tempo indeterminado. A informação terá sido prestada por António Mariano, presidente do Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL). O protesto dos efectivos correrá em paralelo ao dos trabalhadores eventuais.

Por outro lado, segundo anunciou ontem a RTP, a administração da Volkswagen na Alemanha pretende reunir-se com António Costa e quer uma garantia de que a paralisação do porto de Setúbal é ultrapassada, sob pena de os motores que tem para enviar à Autoeuropa serem desviados para a sua fábrica de Navarra, Espanha.

Se esse envio se confirmar, a Autoeuropa suspende a produção já esta semana, muito antes da suspensão prevista para o período de 22 de Dezembro a 4 de Janeiro, arrastando consigo as empresas fornecedoras do parque industrial da empresa. Diz ainda a RTP que neste momento já são 22 mil os veículos produzidos na Autoeuropa imobilizados no porto de Setúbal, na Base do Montijo e no parque da própria fábrica.

 



Um comentário em “AETPL em risco de não poder pagar salários”

  1. José M. Potes diz:

    Prova evidente da incapacidade do governo em pugnar pelos interesses nacionais, dobrando a cerviz aos mentores destas greves. O direito à greve é constitucional, e os seus deveres para com a Nação onde estão consignados?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill