Para Adriano Moreira, vive um vazio perigoso e pode perder a sua última «janela de liberdade» se não souber olhar pelo seu mar

Pela primeira vez na sua história, Portugal vive sem ter Conceito Estratégico e é perigoso porque isso pode colocar em causa uma das suas «janelas de liberdade», o seu mar.

As afirmações de Adriano Moreira foram proferidas Sexta-feira, no discurso de entronização como confrade da Confraria Marítima de Portugal onde, num longo discurso, começou por lembrar a Crónica da Conquista da Guiné de Gomes Eanes de Zurara e do relato do Conselho Real onde se decidiu partir à conquista de Ceuta, concluindo ser este um excerto da Crónica que todos os governantes deviam ler e saber de cor como exemplo de procura e formulação de um Conceito Estratégico para a nação.

Lamentando que Portugal se tenha deixado ultrapassar na liderança da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, sendo a recente entrada da Guiné Equatorial, bem como o modo como tudo ocorreu, exemplo das consequências disso mesmo, quando essa era a primeira «janela de liberdade» que deveria ser a todo o custo, bem assim como veio a suceder, na sua opinião, com a segunda «janela de oportunidade», a questão do Instituto da Língua Portuguesa e o caso do famigerado Acordo Ortográfico, em que Portugal se viu, uma vez mais, completamente ultrapassado e acabou por ficar sozinho e completamente isolado numa questão da maior relevância.

Nesse sentido, deduz-se a sua apreensão com o actual momento, dada a falta, como repetidamente sublinhou, podendo a falta de Conceito Estratégico conduzir a uma igual perda do sentido da importância da terceira «janela de liberdade», o mar, como, de alguma forma, a recente situação da decisão Norte-Americana de redução de forças na Base das Lages, de alguma forma, torna relativamente evidente. Se é certo que deplorou a decisão Norte-Americana, na sua opinião, Portugal também não terá sabido estar inteiramente à altura da situação.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill