A “dinâmica da mediação” definida entre Governo, sindicato e operadores portuários determinou o prolongamento das negociações para a concretização de um contrato colectivo de trabalho
Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Face à “dinâmica da mediação definida” entre o Governo, o Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL) e as Associações Patronais, sindicato e patronato decidiram prolongar as negociações relativas ao Contrato Colectivo de Trabalho (CTT) do porto de Setúbal, referiu o SEAL em nota publicada no seu blogue O Estivador no dia 24 de Abril.

O SEAL reconhece que no final de Março tinha feito um ultimato para que estas negociações terminassem “na data simbólica” de 25 de Abril, mas decidiu, em plenário realizado dia 24 de Abril, adiar o fim do diálogo, agendando nova reunião para o dia 8 de Maio.

Na sua página do Facebook, o SEAL recorda também que o acordo alcançado em 14 de Dezembro com os operadores portuários de Setúbal, “com mediação do Governo, previa a passagem a efectivos de 56 trabalhadores precários e o levantamento de todas as formas de luta, incluindo a greve ao trabalho extraordinário, bem como a negociação e aprovação de um contrato coletivo de trabalho no prazo de 75 dias”, sublinhando que esse prazo “já foi largamente ultrapassado sem que tivesse sido alcançado um entendimento entre as partes”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill