Uma equipa de investigadores redigiu um relatório onde apresenta 27 abordagens e 8 exemplos de como a geoengenharia pode combater as alterações climáticas. Mas ainda há muito por testar.
Yaroslavsky Shipbuilding Plant
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Será que o ser humano pode combater as alterações climáticas? Um relatório publicado recentemente pelo Joint Group of Experts on the Scientific Aspects of Marine Environmental Protection (GESAMP) sugere que sim. Através de ferro ou outros nutrientes que, quando adicionados aos oceanos, podem melhorar os processos naturais de extracção de carbono da atmosfera e criar espumas para reflectir a luz solar, devolvendo-a à atmosfera.

 

Práticas de geoengenharia apresentadas como ferramentas que aguardam apenas uma estrutura coordenada para propor e avaliar a geoengenharia marinha antes de avançar. “A vasta área, imenso volume e potencial de grande capacidade para armazenar o dióxido de carbono dos oceanos significa que muitas abordagens para a geoengenharia marinha já foram propostas. Este relatório destaca a necessidade de evidências científicas sólidas para cada abordagem que pode ser considerada pelos formuladores e reguladores. Há, no entanto, considerações legais, socioeconómicas e geopolíticas que precisam de ser levadas em conta”, explicou o co-editor Philip Boyd, professor de Biogeoquímica Marinha no Instituto de Estudos Marítimos e Antárcticos da Universidade da Tasmânia, em Hobart, na Austrália.

 

O relatório apresenta 27 abordagens, destacando principalmente a geoengenharia marinha, mas também a melhoria das pescas e a aquicultura trófica integrada. E examina oito exemplos característicos. Uma das abordagens examinadas foi a fertilização do ferro oceânico, já abordada pela Convenção e Protocolo de Londres, que orienta as partes sobre como avaliar propostas para pesquisa de fertilização oceânica e fornece etapas detalhadas para completar a avaliação ambiental, incluindo gestão e monitorização de riscos.

 

“É difícil fornecer uma lista dos benefícios e desvantagens de cada abordagem que pode ser examinada por meio de uma visão que conste de considerações jurídicas, socioeconómicas e geopolíticas. Além disso, um portfólio incompleto também dificulta o tipo de ajuste público necessário para facilitar a tomada de decisões conscientes na sociedade e na política sobre a pesquisa em geoengenharia marinha”, conclui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill