Relatório oficial aponta falhas e sugere caminhos
Marrocos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O défice das trocas em transportes e serviços na balança de pagamentos de Marrocos, especialmente em termos de divisas, é essencialmente imputável aos transportes marítimos (cerca de um milhão de euros, a dados de 2013), revelou um estudo publicado em 14 de Março pela Divisão de Estudos e Previsões Financeiras do Ministério da Economia e Finanças de Marrocos, citado pelo jornal marroquino Maritime News, Le Info Maritime de Maroc.

O estudo incide sobre o transporte marítimo de mercadorias e traça um panorama pouco favorável do sector no contexto económico e financeiro de Marrocos. De acordo com o jornal, o documento invoca relatórios internacionais, como o Review of Maritime Transport 2015, da UNCTAD, e refere uma procura crescente pelo transporte marítimo, que assegura 95% das trocas comerciais do país.

Face ao quadro traçado, o estudo considera que o Ministério da Economia e Finanças marroquino tem toda a legitimidade para intervir urgentemente no sector e sugere ao Ministério do Equipamento, Transporte e Logística que melhore as condições de trabalho dos marítimos, entre outras medidas.

É igualmente sugerido aumentar a flexibilidade dos marítimos marroquinos para que possam navegar a bordo de navios estrangeiros e rever os diplomas jurídicos que regulam o trabalho dos marítimos e que não servem o interesse de quem opera no mar, escreve-se no jornal.

De acordo com o mesmo órgão de imprensa, o estudo insiste numa aproximação entre carregadores e armadores para optimizar a exploração do pavilhão nacional e defende a manutenção da exclusividade da cabotagem nacional em hidrocarbonetos, que pode ser alargada a outras actividades, como materiais de construção.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill