A agência de segurança marítima espanhola usa um aparelho fabricado por um consórcio a que pertence a Tekever para monitorizar derrames petrolíferos e prestar apoio em missões de busca e salvamento
SASEMAR
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A SASEMAR, a agência de segurança marítima espanhola, está a usar até Março o serviço aéreo por controlo remoto (Remotely Piloted Aircraft Systems, ou RPAS) da Agência Europeia de Segurança Marítima (EMSA, na sigla inglesa), com recurso a um aparelho produzido pelo consórcio REACT, que envolve a Tekever, para identificar e monitorizar derrames petrolíferos e prestar apoio em missões de busca e salvamento na província de Huelva.

As operações do aparelho, um drone AR 5 – EVO, são coordenadas à distância a partir do Centro de Coordenação de Salvamento Marítimo da SASEMAR, em Huelva, que também fará a monitorização dos dados. O piloto remoto dirigirá os voos do RPAS a partir de uma estação de controlo terrestre no Instituto Nactional de Tecnica Aeroespacial (INTA). E de Madrid, um centro nacional de coordenação de operações de busca e salvamento participará na monitorização dos voos, usando o cento de dados da do RPAS da EMSA.

Segundo a EMSA, as capacidades do aparelho, equipado com unidades fotográficas electro-ópticas e de infra-vermelhos, radar e uma unidade para visão detalhada de objectos de interesse, incluem possibilidade de voos diurnos e nocturnos.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill