O aumento de migrantes que atravessam o Estreito de Dover da França para o Reino Unido induziu Londres a fazer regressar dois navios que estavam no Mediterrâneo em operações de resgate também a migrantes para dar apoio a missões no Canal da Mancha. Até lá, a Royal Navy disponibilizou o navio-patrulha HMS Mersey para o efeito
Human Rights at Sea
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Marinha britânica (Royal Navy) disponibilizou o navio-patrulha HMS Mersey, normalmente usado na vigilância às pescas no Reino Unido, ao Ministério do Interior para prestar assistência às autoridades fronteiriças do seu país e francesas nas deslocações de migrantes que ocorrem no Estreito de Dover, refere o Maritime Executive.

O Ministério da Defesa britânico, que tutela a Royal Navy, terá pedido ao Ministério do Interior para suportar os custos operacionais deste serviço, no valor de 22 mil euros por dia, o que terá atrasado a destacamento do navio para esta missão no Estreito de Dover, refere a publicação.

Segundo o artigo, o HMS Mersey permanecerá na missão até ao regresso de dois navios da Força de Fronteiras do Reino Unido que estiveram em operações de resgate a migrantes no Mediterrâneo até serem convocados para o Canal da Mancha para missões semelhantes pelo ministro do Interior, Sajid Javid.

A publicação lembra que em 2018, cerca de 540 pessoas, maioritariamente nos últimos três meses do ano, tentaram atravessar o Estreito de Dover.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill