Dados da APL revelam que nos primeiros 11 meses deste ano, os turistas britânicos, sendo embora o maior grupo a escalar o terminal de cruzeiros de Lisboa, sofreram uma quebra de 1,1%. O contingente que mais cresceu foi o alemão, que aumentou 21.789 passageiros
Administração do Porto de Lisboa
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Os britânicos representaram o maior contingente de passageiros de cruzeiros a escalar o porto de Lisboa entre Janeiro e Novembro (inclusive) deste ano, com um total de 219.022, equivalente a 40,8% do total, referiu a PressTUR com base em dados da Administração do Porto de Lisboa. Em todo o caso, este número traduz uma quebra de 2.470 passageiros, ou seja, -1,1%, face ao período homólogo do ano anterior, e ainda a menor percentagem de turistas de cruzeiros britânicos desde, pelo menos, 2012.

O segundo maior contingente foi o alemão, com um total de 107.706, equivalente a 20% do total e mais 21.789 do que período homólogo do ano anterior, referiu a PressTUR, notando que é a sua maior percentagem desde 2012. Os passageiros de cruzeiros alemães foram ainda o grupo que mais cresceu neste período em escalas no porto de Lisboa (+21.789).

O segundo contingente com maior crescimento foi o das «outras nacionalidades», com mais 55,7% (+16.885). E o terceiro com maior crescimento foi o grupo dos turistas italianos, que aumentou 30% (+9.606), seguido dos portugueses, com mais 34,2% (+2.376), canadianos, com mais 31,7% (+2.289), brasileiros, com mais 34,1% (2.108), e australianos, com mais 29,8% (+1.845).

De acordo com os mesmos dados, a maior descida em números absolutos foi dos turistas dos Estados Unidos (-6,2%, ou -4.576), seguida dos britânicos (-1,1%, ou -2.470), suíços (-15,9%, ou -1.033), e franceses (-2%, ou -247).



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill