Esta foi uma conclusão obtida por uma análise da DNV GL Maritime para um horizonte temporal até 2050
International Underwriting Association
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Investir na eficiência energética e na redução da pegada de carbono para além dos padrões actuais pode aumentar a competitividade de um navio ao longo do tempo, revela uma análise perspectiva da sociedade classificadora DNV GL Maritime (o segundo Maritime Forecast para 2050), citado pela Maritime Executive. O documento revela também que os donos de navios com elevado nível de emissões podem estar expostos a riscos de mercado significativos em 2030 e 2040.

A mesma análise antecipa um crescimento de 32% no comércio marítimo, medido em toneladas-milha (volume de mercadoria paga transportada por cada milha), entre 2016 e 2030, mas somente de 5% entre 2030 e 2050. Uma conclusão que é baseada num modelo actualizado de avaliação global que congrega a procura e oferta de abastecimento energético e a utilização e troca de energia dentro e entre dez regiões do mundo, refere a mesma publicação.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Da Cartografia na Antiguidade até à Cartografia Portuguesa

    Novembro 16 @ 15:00 - 17:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill